© 2018 Centro Cultural de Cascais 

fundacaodomluis.org

Av. Rei Humberto II de Italia, 16

2750-800 Cascais

Subscreva a Newsletter

Tel: +351 214815660

ESPAÇO CAPELA

Bruno

Saavedra

É um fotógrafo que, através do olhar de carinho muito emocionado de um grande amigo, nos apresenta “Ana”, uma homenagem humilde a todas as mulheres do mundo que, frágeis, são, decididamente, inquebráveis. Apenas.

 
 

Diana Coelho

No percurso de trabalho de Diana Coelho há palavras que se repetem e, provavelmente, irão continuar a repetir-se: instinto, emoções e afectos. Corpo, voz, peso e matéria/imateria.

 

​Jéssica Rosa

É uma artista visual com uma grande versatilidade no seu discurso plástico. O detalhe, o pormenor, a minucia conferem uma singularidade de expressão ao seu trabalho artístico e mostram como as linguagens tradicionais das artes visuais continuam a produzir imagens encantatórias. É o caso, por exemplo, dos seus livros de artista onde uma mancha  abstracta se transforma em asas de insetos coloridos.

 

Xavier Almeida Garrettt

É um jovem artista cuja obra artística tem uma importante expressão no âmbito da  arte pública , com trabalhos visíveis na cidade de Lisboa. Não é por acaso que a arte pública, como área específica de intervenção cultural e de crítica social tem sido um dos meios eleitos por este artista. Justamente, Xavier Almeida Garrett usa o seu trabalho como manifesto das suas preocupações sociais, políticas e  humanistas, com um especial apreço pelo espaço urbano e o anonimato.

 

Tatiana

Silva

É arquiteta, natural de Faro.

Nesta exposição reúne um conjunto de elementos que revelam a ligação entre caminhar e criar. É um mapeamento e em simultâneo a construção de um território plástico através da deriva na experimentação de diferentes modos de expressão, criando rotinas de estudo dos lugares e seus materiais e trabalhando a memória das suas impressões

 

Mosi

"Eu e a Luísa conhecemo-nos na primária e somos amigas desde então. Sempre fomos um bocado diferentes, se calhar é por isso que nos completamos. Mas, quero acreditar que a conheço melhor que ninguém. A Luísa, naquele dia, levou um lírio. E ela não usava brincos."

Através da linguagem gráfica da Banda Desenhada, Mosi explora as possibilidades artísticas e narrativas, numa reflexão sobre a imagem, a palavra e o tempo.

 

Sophie Bayntun

I

Sophie spends every day in her atelier, observing the Atlantic sea from the beautiful archipelago island of Madeira. Seeing ships and weather that come and go; bringing and taking landscapes away. The valleys, the sea, the highlands all provide a constant source of colour.

Sophie’s art is an interpretation of her environment and by reflection, her position within it.

  • Facebook Social Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon